Amordeperdicao.pt » Blog Archives

Author Archives: ES

Crónicas

Ocean’s (série de filmes)

Published by:

Você é um amante dos jogos de azar e gosta de apostar online. Já sabe tudo sobre os sites onde pode usar códigos como Casino Portugal bónus.
Além de apostar você gosta também dos filmes sobre casino.
Os filmes Ocean’s são uma série dos filmes sobre assaltos que teve muito sucesso entre espectadores do mundo inteiro. Os filmes da trilogia são Ocean’s 11, Ocean’s 12 e Ocean’s 13 e o novo filme como spin-off Ocean’s 8. Os filmes da trilogia foram produzidos pelo diretor Steven Soderbergh e o último, o spin-off foi produzido pelo Gary Ross.

Ocean’s 11
Ocean’s 11 é o primeiro filme e o filme da série que ganhou maior dinheiro – 450 milhões de dólares. Foi produzido em 2001 como uma refilmagem do filme com o mesmo nome Ocean’s 11 do ano 1960. Os atores principais são Brad Pitt, George Clooney, Matt Damon, Andy García, Julia Roberts e Don Cheadle.
George Clooney é Daniel Ocean que no princípio do filme sai da prisão e vai para Las Vegas com o seu antigo parceiro Rusty Ryan (Brad Pitt). Eles têm plano de roubar 3 maiores cassinos de Las Vegas cujo dono é Terry Benedict (Andy García). Com outros assaltantes ele forma grupo de 11 para o assalto.

Ocean’s 12
Produzido em 2004 como a sequência de Ocean’s 11. O Benedict vai atrás do dinheiro roubado dele e atrás do grupo 11 e oferece um contrato para o Danny. Se o grupo devolve 160 milhões roubados em duas semanas, o Benedict não vai mandar matar eles. Como o grupo já gastou o dinheiro, eles fazem plano de um novo assalto para obter o dinheiro necessário. Os atores são os mesmos do primeiro filme acrescentados com mais 2 famosos Catherine Zeta-Jones e Vincent Cassel.

Ocean’s 13
Ocean’s 13 chegou nas cinemas no ano 2007. O novo protagonista nesta parte da trilogia é Al Pacino. Ele interpreta Willy Bank o qual engana ao seu parceiro Reuben Tishkoff durante negócio da construção de um hotel. Por causa de estresse o Reuben teve um infarto e vai para hospital. O Danny Ocean quer vingar ao Bank. O plano esta vez é assaltar o novo casino cujo dono é o Bank e acabar com a reputação dele.

 

Ocean’s 8
Onze anos depois de último filme Ocean’s 11, a nova sequência de trilogia Ocean’s – Ocean’s 8 está nas cinemas. É um spin-off com personagens femininos. Trata-se de grupo das mulheres guiadas pela Debbie Ocean, a irmã do Danny Ocean. O grupo quer assaltar e roubar Met Gala.
A Debbie Ocean sai da prisão. Ela procura a sua ex-parceira Lou porque quer fazer um assalto que planejou quando estava na prisão. Para fazer isso elas precisam da ajuda e então recrutam mais 6 mulheres e fazem grupo de 8. O plano é roubar um colar de Cartier que tem valor de 150 milhões de dólares.
Como em cada um destes filmes, a escolha das atrizes é atraente Sandra Bullock, Cate Blanchett, Anne Hathaway, Mindy Kaling, Sarah Paulson, Rihanna e Helena Bonham Carter.

O filme chegou nas cinemas no 8 de junho. Podemos esperar que o novo filme tenha o mesmo sucesso como os outros.

Especiais

Filmes famosos sobre jogos de azar

Published by:

O glamour dos cassinos não estão só nos luxuosos hotéis por Las Vegas, Hollywood tem explorado com êxito o mundo da jogatina e diversão no universo cinematográfico. Com essa popularização de filmes ambientados nesse tema, as oportunidade para experimentar um pouco desse gênero cresceu, e sites para que você jogue caça-níqueis online, slots, blackjack e poker possibilitam que as você não precise mais viajar direto para o cassino mais próximo para desfrutar de um bom jogo.

A sétima arte não desaponta quando o assunto é jogos e cassinos, e se você é um amante de bons filmes e se interessa por um bom jogo, com toda certeza vai gostar da nossa seleção dos melhores e mais famosos filmes sobre jogos de fortuna e azar.

Cartas na Mesa (Rounders)

Convenhamos que o pôquer é bastante popular hoje em dia graças ao cinema e suas celebridades. Com roteiro espetacular e ótimas interpretações o filme consegue te prender do início ao fim, e é um dos melhores ao explorar os altos e baixos do pôquer.

Em Cartas na mesa, filme estrelado por Matt Damon, temos dois jogadores de pôquer, Mike e Worm. Mike (Damon) é talentoso no jogo, usa o dinheiro ganhado no pôquer para pagar sua faculdade de direito. Worm já não é nada lá muito honesto, é acredita que a trapaça faz parte do jogo. Consequentemente Worm se mete em sérios problemas, e Mike precisa ajudar o seu amigo pagar suas dívidas, além de escolher entre a faculdade e a namorada e o pôquer.

Quebrando a Banca (21)

Em Quebrando a banca temos uma proposta no mínimo curiosa, Ben Campbell, um estudante exemplar do M.I.T. é recrutado para um grupo de brilhantes estudantes em direção a Vegas, onde colocam todas as probabilidades estatísticas do Blackjack a seu favor, contando cartas para faturar alto.

Se Beber, Não Case

Se está procurando por uma boa comédia politicamente incorreta, está é com certeza a melhor opção. Dias antes de casar, Doug e seus amigos vão a Las Vegas para as despedida de solteiro, mas as coisas não dão muito certo, quando na manhã seguinte os seus padrinhos não conseguem se lembrar de nada e notam que Doug desapareceu. Com muita farra, bebedeira e jogatina, os amigos se encontram em uma aventura épica em Vegas para tentar se lembrar do que aconteceu.

Cassino

Essa lista com certeza não estaria completa sem o filme do ano de 1995 de Martin Scorsese. Na trama que se passa nos anos 70, Robert De Niro é Sam, um apostador convocado pela máfia para supervisionar um cassino em Las Vegas. Scorsese aborda o mundo dos gângsteres, violência, e do submundo dos cassinos, sempre no clima luxuoso da cidade dos anos 70, em um filme que rendeu a ele um globo de ouro pela direção.

007 – Cassino Royale

É claro que 007 não poderia ficar de fora, a trama que conta a sobre os primeiros dias do agente secreto britânico James Bond, gira em torno de derrotar o vilão Le Chiffre, que está planejando arrecadar dinheiro em um jogo de pôquer de alto risco no Le Cassino Royale.

Festivais

Festival de Filmes em Portugal 2017

Published by:

Os festivais de filmes são eventos imperdíveis que permitem que você possa assitir a grandes filmes trazendo mais cultura e entretenimento para a população. Vamos falar um pouco sobre os principais festivais de cinema que ocorreram em Portugal recentemente, portanto, vale a pena ficar ligado para as próximas edições.

Cinanima 2017

Para você que gosta de filmes de animação o Cinanima foi um evento que mostrou o que há de melhor neste setor tão amado pelos fãs do cinema. O filme “A Abençoada Morte Acidental” (uma animação romena) foi a grande vencedora da 41ª edição do Cinanima. A história do curta metragem mostra a vida de um homem que fala a respeito da infância e sua casa lembrando fatos importantes.

O Cinanima também oferece sessões especiais para a família com grandes amostras cinematográficas. Vale a pena conferir a programação e fique atento aos horários e dias.

Este festival de filmes também proporciona competições entre curtas e longa metragens provenientes de vários países, ou seja, são chances excelentes para você conhecer um pouco a respeito da cultura em geral e apreciar a arte cinematográfica. São dezenas de filmes que concorrem ao prêmio máximo destas categorias e os juízes tem a difícl tarefa de escolher os melhores.

Não só de filmes vive o festival Cinanima. Você conhecerá o livro “O Mistério do Quarto Escuro” da autora Mariana Bento. Este é um livro voltado para o público infantil e que narra com maestria a história do cinema. É muito bom ensinar as crianças um pouco a respeito da arte cinematográfica.

O festival também fez uma homenagem ao importante animador português Artur Correia. Ele é um ícone do cinema e já ajudou a formar vários jovens para trabalhar nesta arte. Você poderá assitir a um grande sucesso dele como “São horas meninos”, entre outros.

Uma dica super importante: já está disponível para IOS e Android o aplicativo Cinanima. É uma boa ideia que você faça o download e fique por dentro das novidades e o que está acontecendo neste importante festival. Agora você não tem mais desculpas para não ficar por dentro dos detalhes de um dos melhores festivais de cinema de Portugal.

Festivais

Ovarvídeo Grande Prémio para Tiago Pereira

Published by:

«Sonotigadores de Tradições» foi o título da obra vencedora da oitava edição do Festival Nacional de Vídeo de Ovar. Um filme que junta uma menina e um copo, esquecido por extraterrestres.

O Grande Prémio da oitava edição do Festival Nacional de Vídeo de Ovar, no valor de cinco mil euros em material audiovisual, foi atribuído ao filme «Sonotigadores de Tradições», de Tiago Pereira. A obra premiada é uma curta metragem de 20 minutos passada no Castelo do Mogadouro, cenário escolhido pelo realizador para aventuras de uma menina que bebe e de um copo perdido por extraterrestres.

O galardão do Ovarvídeo 2003 na área do documentário, no valor de mil euros, foi atribuído a «Teatro de Sonhos» de Rui Simões, uma obra sobre o trabalho desenvolvido por um grupo de psicodrama (ou teatro terapêutico) e que envolveu doentes-actores do Hospital Psiquiátrico Júlio de Matos.

Os prémios de ficção e animação, também no valor de de mil euros, foram atribuídos a «Low Radiation» – um vídeo-clip dos Starlux, realizado por Rafael Lopes – e a «O Paciente», de Pedro Brito, uma história em torno de um paciente, «D», que acorda manicómio num estado incapaz de encontrar as respostas que lhe permitem «o entendimento da camisa-de-forças».

«O Nono Andar», de Hugo Guerra, recebeu um prémio especial do júri formado por Luciana Fina, António Forte e José Vieira Mendes, no valor de 500 euros. As preferências do público foram para a obra «O Zé dos Pássaros», de Silvino Fernandes e Paulo Sousa, que receberam assim o prémio do Público/FNAC.

Festivais

Cinanima Programação Estreou-se na Longa-Metragem

Published by:

A organização do Cinanima apostou pela primeira vez em filmes de longa duração, mas procura novos mecenas.

A 27ª edição do Cinanima deu os primeiros passos na área das longas metragens, à margem dos filmes a concurso no festival. O público teve assim oportunidade de assistir a obras com ante-estreia absoluta em Portugal na sua quase totalidade.

Foi esse o caso de «The Wild Thornberrys Movie», uma produção conjunta da Nickelodeon com a Paramount Pictures, que estende para formato longo a série de animação com o mesmo nome, tal como tinha sido já experimentado com sucesso com as crianças de «Rugrats». Mas também de obras com conteúdo mais adulto, como «O Século Animado» de Adam Snyder e Irina Margolina e – numa novidade saudada por todos os fãs do esotérico marinheiro de brinco na orelha – de «Corto Maltese, La Court Sécrete des Arcanes» de Pascal Morelli.

Este ciclo de filmes de longa duração, organizado em parceria com a Lusomundo, pretende continuar nas próximas edições do festival de Espinho. Para os organizadores, esta foi uma experiência piloto com bons resultados, que se pretende estender logo que seja também retomado, nos eventos futuros, o apoio do ICAM ao festival interrompido este ano.

A importância do surgimento e envolvimento de outros mecenas foi também salientada pelos organizadores. Em declarações à comunicação social, Manuela Lima afirmou que «o cinema de animação português tem pernas para andar» mas «é importante que surjam novos mecenas e que o Instituto do Cinema, do Audiovisual e do Multimédia continue a dar o apoio merecido».

Crónicas

O Condes Morreu, Vivam os Reis

Published by:

Lisboa é uma boa cidade para se ir ao cinema. Não falo por falta de conhecimento de outras cidades, ou por simples apetência pelo centralismo da capital. A verdade, essa, é que Lisboa não é só a melhor cidade portuguesa neste campo, como é uma das melhores em termos europeus, o que a faz uma das melhores em termos mundiais.    É verdade que hoje o Paris é uma curiosidade e o Condes um restaurante de comida rápida. E então? O Tempo não é estático é os imobiliários não são nada sem pessoas. E essas, há muito que já não iam ao Condes. Há que aprender com a História e defender as salas que ainda existem. É graças a elas e a nós espectadores, que, repito, Lisboa é uma das melhores cidades mundiais para se ver cinema.

Existem cerca de 160 salas na Grande Lisboa. Destas, cerca de 140 estão agregadas a Centros Comerciais. Funcionam um pouco como os espectáculos para os casinos. Estes conduzem ao jogo, como a ida ao cinema conduz ao consumo. E então? As pessoas são soberanas na sua decisão, e se no último ano novas salas despontaram como cogumelos, de que o Cascais Vila e as Twin Towers são apenas dois bons exemplos, é porque há espectadores/clientes que as justificam. Se as pessoas querem fitas americanas a 5 euros, a escolha é delas. Importa registar que há a oferta, e que tem adesão. Se todos optassem por filmes de um anónimo paquistanês, dificilmente haveria tanto público.

A PT, via Lusomundo, domina o circuito, logo seguida pelo Paulo Branco, que se mantém na corrida com salas como o Saldanha. É ele quem tambem, subsidiado, mantém salas como o Ávila. Sirva o erário público para alguma coisa. Em salas como esta reside o quinhão que completa a oferta, com requinte, e que mostra que nem uma posição dominante como a da PT impede a concorrência. O Ávila, o Nimas, o S. Jorge, fornecem boas salas com um circuito alternativo complementar.

Preços mais baratos, filmes menos óbvios. Com público. Outro, talvez, menor, sem dúvida. Mas a oferta existe e as pessoas correspondem. Temos depois as salas com ciclos. O Cine 222, e o Loreto, que deixou a pornografia para enriquecer a oferta da capital. A cereja do bolo é a Cinemateca, com as suas três salas e edifício remodelado. Por aqui passam das fitas mais emblemáticas do Século XX. Menos concorrido mas indispensá veis para o conjunto e permissa desta crónica são os institutos estrangeiros, como o Cervantes, Goethe ou o Franco-Português. Ou a Videoteca, em Alcântara, que ajuda a promover não novas tendências mas sim novos talentos. De vez em quando, alguém se lembra de promover umas exibições ao ar livre, paraíso dos fumadores e dos aderentes às novidades, porque um ‘drive-in’ ou ‘seat-in’ é sempre diferente, mesmo se o filme é a «Música no Coração».

Até o facto do Olimpia passar filmes pornográficos com títulos que promovem um sorriso rasgado a quem esteja atento são um sinal positivo. Um sinal de que a oferta é alargada e que o público tem possibilidades de sair satisfeito.

As pessoas têm aderido ao cinema, às salas, aos filmes. A oferta é vasta e, mais importante, variada. Basta procurar, estar atento. Quem se queixar de que não há bons filmes em Portugal não vê que Lisboa é hoje uma cidade muito mais rica do que há 20 anos atrás em termos de oferta cinematográfica. Mesmo se antes havia o Condes. Porque se ele morreu, alguém o deixou morrer, e o velório não foi muito concorrido. Por isso, é importante reter a riqueza actual que Lisboa oferece neste campo. E fazer com que o problema de ver um bom filme seja apenas uma questão de escolha.

Crónicas

O Som do Silêncio

Published by:

Como melhorou a qualidade do som nos filmes portugueses! Lembro-me de que, ainda há não muito tempo, as fitas nacionais quase precisavam de vir legendadas. Ou então, que os espectadores fizessem cursos-relâmpago de leitura de lábios. Felizmente, hoje já não é assim. Agora só faltam os diálogos que valha a pena ouvir.

Claro, estou a brincar. Mas desde o início o som foi uma fonte de controvérsias na jovem arte cinematográfica. O cinema tornou-se sonoro, e depois falado, um pouco por acaso, porque a Warner se encontrava à beira da falência e tentou, como última cartada, uma experiência diante da qual as concorrentes recuavam, receando um desastre comercial. Bem, parafraseando o impagável produtor Samuel Goldwyn, ninguém gostou daquilo – excepto o público.

Sim, as platéias aderiram com entusiasmo à novidade, mas os cineastas e os críticos torceram os narizes. Pudovkin, Eisenstein e Alexandrov publicaram um manifesto contra o som, alertando para o perigo do «teatro filmado». René Clair também fez uma birra. Mas o mais amuado foi mesmo Chaplin: «Os filmes falados? Odeio-os! Vieram estragar a arte mais antiga do mundo, a arte da pantomima. Destroem a beleza do silêncio». OK, ele lá tinha as suas razões para achar que mais valia estar calado. É como observou mais tarde o mordaz Billy Wilder: «Quando Chaplin ganhou uma voz para dizer o que se passava na sua cabeça, foi como se uma criança pusesse uma letra na Nona Sinfonia de Beethoven».

Tratava-se, claro, de um lamentável equívoco: os mestres do mudo tomavam por trunfo o que não passava de uma lacuna. Às vezes, é verdade, a falta de som estimulava a criatividade de uma maneira cómica: no clássico «Napoleão», de Abel Gance, durante um ataque ao forte de Toulon pelas tropas franceses, todos os soldados que tocam tambores são instantaneamente mortos.
Logo se verificou que o sonoro exprimia melhor até o próprio silêncio. No sonoro, o silêncio adquiriu um valor positivo, de que estava privado na uniformidade taciturna do mudo. Assim, depois de, por exemplo, uma música retumbante, o súbito silêncio assume uma intensidade conceptual. Só o sonoro pode, por contraste, representar o silêncio sepulcral. Para não falar no minuto de silêncio (que, no mudo, eram todos).

É certo que estamos a falar de um realismo dúbio, isto é, na maior parte das vezes «pós-sincronizados», ou seja, registados em estúdio depois das imagens. Isso porque, devido aos caprichos da técnica e da física, uma parede, um vidro ou uma escada gravadas ao ar livre não produzem um som «autêntico». Por outro lado, há certos ruídos que já foram registados de uma vez para sempre: pode comprar-se, nas lojas da especialidade, um canto de galo, um bramido de ondas ou um coaxar de rãs. Só não se pode comprar é bons diálogos.

E há, naturalmente, a música. No cinema, a música pode assumir dois papéis: de ambiência ou contraponto (ou paráfrase). A primeira é, digamos, decorativa (não quer dizer que seja supérflua). A segunda pode tornar-se dramática. Se for de certos compositores que a gente sabe, tornar-se-á seguramente melodramática. Como disse o outro, a música japonesa é uma tortura chinesa.
Sem som e sem música, não haveria os musicais. E, sem os musicais (que, por ironia da história, brilharam na Metro e não na Warner), não haveria Fred Astaire. Bom, por causa de um bisonho executivo de Hollywood, que avaliou o primeiro teste do futuro maior bailarino da Sétima Arte, quase que não houve de facto Fred Astaire. Eis o veredicto da sumidade, quando Astaire acabou o seu número: «Não sabe representar. Ligeiramente careca. Dança um bocadinho».

Hoje, ninguém com cinco gramas de miolos duvida de que o cinema seja a imagem unida à palavra, ao ruído e à música. OK, cada macaco no seu galho. Frank Sinatra, por exemplo, embora tenha embolsado um Oscar de melhor actor secundário, continua a pertencer mais à música do que ao cinema. Ou, como alguém resmungou: «Tirem o microfone e a orquestra a Sinatra e o que é que lhe restaria? Trabalhar numa pizzaria!».

Crónicas

O Som e a Fúria

Published by:

Há poucos dias, eis que dei por mim na entrada de um descomunal centro comercial de bilhete na mão, lado a lado com uma entusiasmada criança de 10 anos, pré-adolescente quase, ambos prestes a embarcar na electrizante experiência de «Tomb Raider 2».

Estávamos mais do que preparados para suspender a descrença durante duas horas e pular a pés juntos para dentro do universo dos jogos de consola tornados película e admirarmos os contorcionismos e os seios digitalmente aumentados de Angelina Jolie. Mas havia uma coisa para a qual nada nos preparara. E essa coisa foi o som, a fúria, os dementes décibeis que atordoaram os nossos ouvidos com a tonitruante pujança dos canhões da guerra de 14-18 ou, mais contemporâneos, os mísseis Tomahawk das guerras do Golfo.

Era demais. A criança, apesar de tudo habituada ao cacofónico estrilhar de guitarras trash-metal, tapou os ouvidos durante dois terços do filme e, mesmo assim, saiu de lá seriamente candidata a uma consulta de otorrino. Eu, por outro lado, sentia estarrecido o aumento da minha pulsação e o corpo a vibrar como uma personagem do «ER» com o George Clooney. Por momentos, apeteceu-me mesmo procurar a campainha e chamar a enfermeira, antes que fosse tarde demais e a alma se separasse do corpo num esforço derradeiro de sobrevivência.

Cá fora, apreciando o silêncio das centenas de criancinhas debicando Happy Meals e fatias de pizza, pensei no que acontecera. O que levara as salas de cinema a superarem o nível sonoro de um concerto dos Sepultura? Por que obscura e satânica razão tinham os responsáveis das salas optado por reduzir os espectadores a cobaias de experiências acústicas limite? Pretenderiam eles que os filmes fossem ouvidos do espaço e atraissem assim novos públicos desde o segundo anel de Saturno?

A resposta surgiu-me mais tarde, após duas semanas de recuperação nas termas do Buçaco, com a clareza de uma epifania: Afinal, as clamorosos ondas de choque sonoras eram a resposta natural ao chinfrim do próprio público. Às conveue não padeçam de surdez crónica.

Todos nós já tentámos certamente fazer calar algum destes exemplares com este tipo de comportamento e desistimos. Quando conseguimos, foi com certeza numa das raras vezes em que o dito cujo (são normalmente homens, vá-se lá saber porquê) estava sózinho e era mais franzino do que nós. Em geral, este tipo de gente anda em manadas e tem a compleição de um condutor de máquinas pesadas. E, entre o ruído boçal e o silêncio eterno da campa, é natural que optemos pelo primeiro.

Mas, pese embora compreender agora a estratégia dos exibidores, continuo a achar que há limites. Devem existir outras formas de educação da plateia para além de destruir-lhes os tímpanos. Quando se leva uma criança de dez anos a desejar abandonar a sala, com medo que o texto lhe caia em cima da cabeça como os conhecidos gauleses, algo está errado. Aqui fica, pois, o apelo. Ou, pelo menos, o aviso. Para a próxima vez que derem por vós com vontade de apreciar um qualquer blockbuster, levem tampões de ouvidos.

Especiais

O Cinema no Estado Novo

Published by:

O Estado Novo e o Cinema

Não foi há muito tempo, o Estado Novo. Durou mais anos do que aqueles que passaram desde que terminou, na madrugada de 24 para 25 de Abril de 1974.

As suas marcas são ainda visíveis hoje, nomeadamente na ansiedade de tentar criar uma indústria de cinema num país onde ela nunca existiu.

A primeira legislação com repercussões no cinema nacional data de 1927, ainda com a Ditadura Militar, e instaurou fenómenos como a Lei dos Cem Metros, que tentou forçar a existência da produção nacional no campo dos documentários. O resultado foi uma série de películas mudas, intragáveis e repetidas até à exaustão, que eram exibidas mesmo com o advento do sonoro. A lei, essa, acabou por ser esquecida mesmo pelos legisladores.

Salazar, que moldou o País ao seu olhar, teve uma peça essencial nessa missão: António Ferro . Um homem brilhante que, através do Serviço Nacional de Informação, pecou pelo facto de tentar impor às pessoas a sua visão do que deveriam ser os filmes. Tal como Salazar, conhecia a força do cinema, a sua influência, a sua capacidade de gerar realidades alternativas. Por isso reforçaram a censura, arma que conduzia, antes de mais, ao auto-constrangimento artístico. Usada e abusada, a censura entrou mesmo em filmes como a « Aldeia da Roupa Branca», bloqueou centenas de filmes estrangeiros e inibiu a criação artística interna.

Quem fosse ao cinema, tinha poucas opções: podia ver as comédias,odiadas por Ferro mas adoradas pelo público, ansioso de gargalhadas, ou via os documentários de propaganda disfarçada de actualidades, transportados por todo o país pelos Cinemas Ambulantes. A outra opção eram os filmes estrangeiros, aqueles que Salazar, pela mão de Ferro, deixava entrar, e obrigava a legendar. Quem fosse analfabeto, e eram a maioria, não ia ao cinema.

Salazar parecia gostar de cinema, e respeitava a sua força. Usava-a em seu favor, mas não permitia que o vissem como um mortal. Para ele, o poder tinha de ser sinónimo de sacrifício, de abnegação. Nunca entretenimento. O Presidente do Conselho chegou a ter uma sala privada, mas raramente a usou. Quanto a António Ferro, usou todas as armas ao seu alcance para moldar os gostos dos portugueses, através de medidas como o Fundo do Cinema Nacional, prémios do Estado Novo que enalteciam filmes baseados em romances intemporais ou vidas épicas como a de Camões. Teve pouco sucesso.

Perceber os diversos aspectos do que foi o cinema português durante o Estado Novo é um passo para entender a sétima arte em Portugal nos dias que correm.

Especiais

Cinema de Animação

Published by:

Animação Portuguesa

O cinema de animação tem cerca de 80 anos de vida em Portugal, mas esta tem tido os seus altos e baixos. O «Pesadelo de António Maria» fixa o seu nascimento em 1923, tendo depois um percurso irregular, que apenas de desenvolve nos anos 60, com um forte pendor publicitário.

O 25 de Abril de 1974 vem abrir as portas deste género cinematográfico, destacando-se os programas de Vasco Granja e o arranque do Cinanima, festival internacional de animação realizado anualmente em Espinho deste 1977. Aqui nasceu toda uma nova geração, com figuras como Regina Pessoa, ou Pedro Serrazina.

Hoje, a animação em Portugal esta mais madura, mas enfrenta dificuldades. Sendo um género que, mais do que as longas metragens, carece de subsídios e de um meio ambiente propicio, o encerramento do estúdio Animatógrafo, liderado por Abi Feijó, e as dificuldades que tem sofrido a Casa da animação, no Porto, são sinais visíveis de um ciclo recessivo. A «Suspeita», realizada por José Miguel Ribeiro, em 1999, foi o ponto alto desta arte, quem tem a vantagem de não ter de se subordinar aos meios «reais» do cinema, convidando a percorrer os caminhos das imaginação.

Mark Baker, realizador britânico de animação, afirmou no último Cinanima que tinha a impressão que em Portugal não havia propriamente uma industria, mas sim «indivíduos». Nada mais certo. Por outro lado, deixou também a mensagem que «também em Londres a industria é muito frágil. Não é nada como na América. O mais próximo que temos disso é a Aardman que, no entanto, é uma excepção».

É verdade que a excepção não faz a regra, mas o género cinematográfico que é a animação, a nível nacional, continua a mostrar uma qualidade que merece ter continuidade.